Assinalam-se hoje 10 anos sobre o início dos protestos pacíficos na Síria, cuja repressão mergulhou o país num conflito que dura há 10 anos, com consequências devastadoras para o Povo sírio e para a região.

Neste dia, o Governo português associa-se a todos aqueles que, na Síria e na comunidade internacional, continuam empenhados em alcançar uma solução política, inclusiva e duradoura para o conflito sírio, nos termos da Resolução 2254 do Conselho de Segurança das Nações Unidas, adotada a 18 de dezembro de 2015.

O Governo português associa-se igualmente aos apelos do Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, e do Enviado Especial para a Síria, Geir Pedersen, no sentido de ser imediatamente acordado e implementado um cessar-fogo permanente e de âmbito nacional, essencial para a ajuda humanitária, da qual dependem hoje mais de 13 de milhões de sírios.

O Governo português reconhece o papel crucial dos países da região e suas comunidades, pelos esforços no acolhimento dos mais de seis milhões de refugiados sírios desde o início do conflito.

A próxima década deve ser de esperança, justiça e reconstrução para o povo sírio. É necessário pôr fim imediato às violações do Direito Internacional Humanitário e aos abusos e violações sistemáticos de Direitos Humanos, com a responsabilização de todos os perpetradores e justiça para as milhares de vítimas que o conflito sírio provocou.

Lisboa, 15 de março de 2021

  • Partilhe