O Governo português vê com muita preocupação a decisão tomada pelos EUA de transferir para Jerusalém a sua Embaixada em Israel.

Portugal é defensor da solução dos dois Estados, baseada na coexistência pacífica, lado a lado, de Israel e da Palestina. Esta é a única solução possível para a questão israelo-palestiniana. O estatuto da cidade de Jerusalém é central na resolução desta questão. O Governo português entende, assim, que devem ser evitadas quaisquer tomadas de posição unilaterais que fragilizem os esforços em prol daquela solução.

Portugal manterá a sua representação diplomática em Telavive, em conformidade com o princípio, consagrado em resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas, segundo o qual o estatuto de Jerusalém deve ser definido entre israelitas e palestinianos, no quadro das negociações sobre o processo de paz no Médio Oriente.

Lisboa, 7 de dezembro de 2017