Na ocasião em que se evocam os 100 anos do nascimento de Nelson Mandela (1918-2013), Portugal associa-se às comemorações que decorrerão no mundo inteiro, e que se prolongarão durante os próximos meses.

O exemplo e o legado do ex-Presidente sul-africano Nelson Mandela continuam a ser hoje da maior relevância para a cultura da paz e da liberdade a nível mundial. Foi em reconhecimento dos valores e ideais defendidos por Nelson Mandela, e da sua dedicação ao serviço da Humanidade e da Democracia, que a Assembleia-Geral das Nações Unidas, através de uma resolução copatrocinada por Portugal, declarou em 2009 o dia 18 de julho como “Dia Internacional Nelson Mandela”.

Nelson Mandela é um símbolo maior da luta contra o regime injusto e repressivo do apartheid na África do Sul. Nesse combate de muitos, Nelson Mandela fez a diferença enquanto líder agregador e inspirador, que confrontou quando necessário e dialogou sempre que possível. Quando pôde escolher, escolheu reconciliar, sem com isso perder o rumo da democracia multirracial em que sempre acreditou.

A sua firmeza no combate à repressão, a coerência na defesa da dignidade humana, liberdade e igualdade, e a verticalidade com que resistiu à pena perpétua a que foi condenado servem de inspiração a todos os que lutam pela Democracia e pelos Direitos Humanos, transcendendo as fronteiras do seu país e do continente africano.

A luta anti-apartheid liderada por Nelson Mandela desenvolveu-se em paralelo à consolidação da jovem democracia portuguesa de então. Portugal e a África do Sul, comungando dos valores pelos quais Nelson Mandela lutou, mantêm hoje fortes relações diplomáticas, alicerçadas num franco entendimento político, em relevantes relações económicas e, com um especial significado, na importante comunidade portuguesa que vive e trabalha na África do Sul e que oferece um contributo social e económico notável para o diverso tecido coletivo sul-africano. 

Por tudo isto, é com alegria que Portugal celebra Nelson Mandela e o seu legado.

Lisboa, 17 de julho de 2018