A Secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, Teresa Ribeiro, discursou, no dia 26 de fevereiro, na 37.ª Sessão Ordinária do Conselho de Direitos Humanos, em Genebra, e disse que Portugal deu “positivas contribuições ao longo dos três anos à frente do Conselho”.

Durante a sua intervenção, Teresa Ribeiro fez um balanço do mandato português no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas e apelou para que a língua portuguesa se torne oficial nas Nações Unidas.

A Secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação afirmou também que “apesar do término do mandado, Portugal continuará a ser vigilante em relação ao trabalho realizado no Conselho”.

Em relação aos direitos humanos dos refugiados, declarou que a abordagem em que os países devem insistir é a da “promoção da proteção dos direitos humanos de todos os migrantes e refugiados” ao invés de adotarem apenas uma “doutrina de segurança”.

Como exemplo de uma boa conduta em relação aos refugiados, Teresa Ribeiro referiu o “papel exemplar desempenhado pela Plataforma Global de Apoio aos Estudantes Sírios, uma iniciativa do ex-presidente da Republica portuguesa, Jorge Sampaio”.

“Portugal já recebeu dezenas de estudantes sírios”, disse, apelando ainda aos restantes países para trabalharem com esta iniciativa e com outras do género.

Durante o discurso, a Secretária de Estado afirmou ainda que tem a “expectativa que o português se torne uma língua oficial nas Nações Unidas, e este é o desejo comum dos membros da Comunidade se Países de Língua Portuguesa” (CPLP).

Portugal terminou em dezembro de 2017 o seu primeiro mandato no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas.